18votadas

«Cambio» ou «troca»? «Em troca» ou «no entanto»?

É correto o uso de «em cámbio"? Ex: «Sempre transijo; em cámbio, ti tés que sair sempre com a tua.» O uso da palavra cámbio, em galego-português, deve restringir-se àqueles enunciados relacionados com as divisas («cámbio dólar-euro», p.ex.). Quando a voz castelhana cambio tem o valor de permuta (p.ex., na locuçom a cambio de), em galego equivale a troca, e quando tem o valor de transformaçom, equivale em galego a mudança, (ou alteraçom). En galego usa-se no entanto, porém, enquanto (que), polo contrário...

12votadas

Música Lusófona 23, 25 e 29 de outubro na Ciranda

Womex (World Music Exposition) é um projeto internacional de apoio e desenvolvimento das Músicas do mundo. Este ano 2014 a cita é em Santiago de Compostela. Decorrerá em vários pontos da cidade entre as datas 22-26 de outubro. Da mão de Acentral Folque chegam à Ciranda vários músicos, produtores/as e musicólogos da Lusofonia que vão visitar nestes dias a nossa cidade e aproveitam para nos conhecer, chegar-nos a sua experiência, os seus discos, os seus livros, e conversar connosco.

13votadas

O Governo de Valência em colaboração com a RACV (gémea da RAG) quer fazer Lei o isolacionismo

Apresentação do rascunho,da nova 'llei de senyes d'identitat', que estabelece um observatório de controle de atentados aos sinais de identidade para isso conta-se com a RACV entidade que afirma o valenciano idioma distinto do catalão e que defende uma normativa distinta da da Academia Valenciana que afirma catalão e valenciano a mesma língua. A definição da língua como principal sinal de identidade e diferente de qualquer outra língua

 3 comentarios en: Cultura, Língua karma: 81
13votadas

«A distinção entre ‘galego’ e ‘português’ depende da posição em que se colocar quem observa»

Vítor Vaqueiro sofreu discriminação por conceber o galego como algo inseparável do português - chuza.gl/story/victoriano-taibo-normativa-como-problema -. "A distinção entre ‘galego’ e ‘português’ depende da posição em que se colocar quem observa. Se considerarmos galego o que se fala na rua, então 'carretera', 'a leite', 'naranxo' ou 'o ponte' é galego. Às avessas, muitos textos publicados na norma ILG não são ‘galego’, porque a gente não diz árvore, nem luvas, nem hepatite, nem centos de vocábulos que estão padronizados como galego".

 1 comentarios en: Cultura, Língua karma: 100
9votadas

Jantar de boas-vindas aos novos sócios e sócias da AGAL

Como cada ano, a Associaçom Galega da Língua (AGAL) organiza um convívio para dar as boas-vindas aos novos sócios e sócias da entidade. Este ano será com um jantar que terá lugar a 8 de novembro, às 14h30, no restaurante compostelano A Nave de Vidán. Como o jantar vai decorrer num espaço reservado na Nave, ademais de desfrutar das refeições será possível também conversar de estratégias e de projetos. A ementa do jantar custará 10 € (dez euros) e será necessário confirmar a presença no endereço secretaria@agal-gz.org.

10votadas

A história do jovem que inventou uma vida paralela e enganou os espanhóis

Francisco Nicolás passeava-se bem vestido, conduzia ou era conduzido em carros de luxo, dizia-se assessor do Governo. Mais do que dizer que tinha influência junto das mais altas patentes, Nicolás comportava-se como se tivesse essa influência e esse poder. E isso ter-lhe-á dado acesso a eventos tão exclusivos quanto a recepção que os reis Felipe e Letizia ofereceram no Palácio Real após a cerimónia de coroação no Congresso, em Junho. Foi detido na semana passada com acusações de burla e usurpação de identidade.

8votadas

Teresa supera o ébola!

A técnica de enfermaría galega deu negativo na súa cuarta proba do vírus do Ébola, polo que "cumpre os criterios de cura da doenza", anunciou un responsábel sanitario.

7votadas

O Estado insiste en negar a incapacidade á galega con cancro

A maioría absoluta do PP rexeitou a súa proposta de darlle maior protección aos doentes de cancro e a incapacidade permanente durante o seu tratamento e este pasado xoves, a Seguridade Social tampouco cedeu. Ante o xuíz, argumentou que a galega Beatriz Figueroa é apta para traballar porque o tumor que sofre está controlado e non ten en conta o duro tratamento, ese que permite o control da súa enfermidade.

Chuza