10votadas

A língua dos camarões

«Fum ao rodízio que abriu na nossa rua, o que tem no logótipo um candeeiro de cor verde muito rechamante. Como estavam de estreia, a cada cliente dérom-lhe um livrinho de apresentaçom em cujas orelhas havia fotografias da equipa do local. Foi um bom detalhe... mágoa de gralhas!». Rodízio? Candeeiro? Orelhas? Gralhas? Estám estas palavras mal utilizadas? Numha situaçom normal, umha língua viva dá novos significados às suas palavras. Porém, o galego da Galiza, devido à histórica pressom do castelhano, mantivo significados restritos.

 sen comentarios en: Cultura, Língua karma: 106
22votadas

Valentina Formoso e Xaquín Loredo_ A fractura da transmisión interxeracional da lingua galega vídeo

Canto, cando, como -Xaquín Loredo. Sociolingüista da Real Academia Galega (RAG) -Valentina Formoso. Sociolingüista, profesora e coordinadora xeral da CGENDL -Presenta: Isabel Vaquero no X Curso de verán de dinamización lingüística #traballandoenlingua 2014

 5 comentarios en: Cultura, Língua karma: 101
14votadas

Que tal escrever "omem" sem h? E "qeijo" sem u?

Parece que o tempo do homem com “h” está mesmo chegando ao fim. Pelo menos é o que propõe uma comissão técnica do Senado Federal que estuda novas mudanças ortográficas na Língua Portuguesa. Além de querer eliminar a letra “h” do início de palavras, quer também um pedaço do queijo, ou melhor, sugere a eliminação da letra “u” da palavra queijo. A ideia da comissão nasceu com as constantes discussões em audiências públicas sobre a Reforma Ortográfica de 2009, que alterou 0,5% do vocabulário brasileiro, segundo o Ministério da Educação.

 2 comentarios en: Cultura, Língua karma: 79
21votadas

'Sotaques do Brasil' desvenda as diferentes formas de falar do brasileiro vídeo

Série foi feita a partir da elaboração do Atlas Linguístico do Brasil. A primeira matéria da série mostra que muitos locais do país têm um jeito diferente de pronunciar a letra “R”. Tem o “R” retroflexo, popularmente conhecido como “R” caipira; o “R” carioca, que raspa no fundo da garganta; o “R” gutural, que é mais suave, ouvido em Belo Horizonte e nas capitais do Norte e Nordeste; o “R” pronunciado com a ponta da língua; e o “R” que perde vibração e quase desaparece.

 sen comentarios en: Cultura, Língua karma: 132
21votadas

Rajói teima no uso do termo "San Ghengho"

Pouco caso fijo o presidente da Espanha, Mariano Rajói, ao esforço que os distintos governos que passaram polo município durante as últimas décadas realizaram para manter e publicitar o termo Sam Genjo (grafado como 'Sanxenxo') como nome oficial da vila turística. O máximo dirigente do governo espanhol decidiu empregar a deturpaçom castelã de "San Ghengho" ante a surpreesa de alguns asistentes, durante o discurso oferecido com motivo da entrega da Placa do Mérito Desportivo ao Real Club Náutico de Sanxenxo.

 3 comentarios en: Cultura, Língua karma: 105
17votadas

Portugal: 6 eternas discórdias entre Norte e Sul do país

Enquanto nos primeiros anos de vida só nos costumamos relacionar com pessoas da mesma região, é em tempo de faculdade e/ou trabalho que começamos a conhecer pessoas de todo o país. É também aí que começam as disputas sobre as verdades absolutas de cada um. Nomeadamente as vocabulares: Ténis (Sul) vs Sapatilhas (Norte), Tampa (Sul) vs Testo (Norte), Cabide (Sul) vs Cruzeta (Norte), Refogado (Sul) vs Esturgido (Norte), Frigideira (Sul) vs Sertã (Norte) e Imperial (Sul) vs Fino (Norte) são as seis maiores discórdias.

 3 comentarios en: Cultura, Língua karma: 87
21votadas

O espantoso mundo das línguas

Há milhares de línguas no mundo e apenas duas centenas de países. Há países onde se ensina uma línguas nas escolas e nas ruas ouve-se falar outra (Suíça alemã). Noutras paragens, é possível perceber as tendências políticas de cada um pela forma como escreve (Noruega). Noutros encontramos línguas diferentes na fala, mas o sistema de escrita é igual (China). Há regiões que falam uma língua que, no fundo, é português com outro nome (Galiza). Há países que pegam numa língua morta e a ressuscitam (Israel).

17votadas

Afinal, diz-se “espanhol” ou “castelhano”?

A própria Constituição Espanhola chama “castelhano” à língua oficial em toda a Espanha (co-oficial com outras línguas nalgumas regiões). Como podemos ver no mapa acima, nas regiões espanholas onde também existe outra língua oficial, usa-se preferencialmente o termo “castelhano” — isto se exceptuarmos os independentistas, que dirão “espanhol” com prazer, pois é a língua de Espanha, que não é o país com o qual se identificam. A Real Academia Espanhola, assumindo que ambos os termos são correctos e sinónimos, recomenda o uso do termo “espanhol”.

 2 comentarios en: Cultura, Língua karma: 96
17votadas

Em petrolês nos entendemos imaxe

Quadrinho da revista Redeangola.

 sen comentarios en: Cultura, Língua karma: 103
22votadas

Mercedes Queixas_Comeuche a lingua (inicial) o gato? [opi]

Lembremos, apenas, os datos que nos ofrecía o Mapa sociolingüístico da Galiza de 2004, da autoría da Real Academia Galega, en correspondencia cos ofrecidos no estudo precedente de 1992. Neste sentido, mentres que en 1992 o galego era a lingua inicial (primeira lingua de aprendizaxe na casa) do 60,3% da sociedade galega, unicamente o era xa do 20,6% en 2004. O galego pasou de ser en 12 anos a opción maioritaria á minoritaria como primeira lingua de relación interxeracional.

 1 comentarios en: Cultura, Língua karma: 92
24votadas

Gonzalo Navaza: "Moito funcionariado impide a galeguización de nomes e apelidos, malia os avances lexislativos"

(publicada orixinalmente en A Nosa Terra o 27 de setembro do 2007) </i> O Grove tamén causa división. Mais nese caso o topónimo é completamente galego, está documentado e é coherente coa evolución lingüística. É certo que provén dun primitivo Ocobre mais a propia lingua galega separou ese o- inicial e converteuno en artigo. Así pasou no Irixo ou na Gudiña. Cando o castelán o deturpou e lle puxo El Grove foi xustamente por traducir o topónimo tradicional. Eu entendo que haxa xente que usa os topónimos como símbolos,

30votadas

Galeguizar a Galiza_ Facendo pé no dereito vídeo

Coa descuberta dunha placa na casa onde tivo despacho profesional don Amadeo Varela, na rúa do Progreso de Ourense, iniciáronse os actos da sétima asemblea da Irmandade Xurídica Galega. Participaron no acto a familia do homenaxeado acompañados polo presidente da Real Academia Galega, o Fiscal Superior de Galicia, o Decano do Colexio de Avogados de Ourense e o alcalde do Concello; o señor González Trigás, en nome da Irmandade Xurídica Galega, fixo unha glosa da memoria do letrado ourensán.

 1 comentarios en: Cultura, Língua karma: 89
23votadas

Quase 900 persoas estudárom aragonês neste ano letivo [AR]

O número total de estudantes aumentou a respeito do ano anterior, graças ao ensino público. Continua estável o número de estudantes na formaçom nom regrada, ficando em 412 e sem variar desde o ano pasado por localidade.

 1 comentarios en: Cultura, Língua karma: 104
28votadas

De la Toja a Conjo: A Mesa recibe denuncias de agresións ao noso patrimonio toponímico por parte das Administracións

A Deputación de Pontevedra e o Concello do Grove patrocinan a deturpación da nosa toponimia, promocionando o concurso “Isla de la Toja”. O Sergas mantén a forma castrapizada “Conjo” nas portas do Hospital Psiquiátrico compostelán.

 1 comentarios en: Cultura, Língua karma: 71
36votadas

Reimóndez critica ao recibir o premio de La Voz a política co galego do xornal coruñés

María Reimóndez vén de recoller o premio por entregas de La Voz de Galicia polo seu libro ‘A dúbida’. No discurso que pronunciou na recolla deste galardón amosouse crítica coa política do xornal cara ao galego. “É unha mágoa” que textos como o seu libro, dixo, “sexan unha illa nun xornal que non só se caracteriza por publicar fundamentalmente en castelán malia as vizosas axudas que do goberno da Xunta recibe para publicar en galego, senón que tamén é coñecido por participar con frecuencia dos discursos estigmatizantes...

 3 comentarios en: Cultura, Língua karma: 87
« anterior12345...130» seguinte

Chuza